Por defeito, este site usa cookies. Estes cookies destinam-se a otimizar a sua experiência de navegação neste site. Saiba mais

Como evitar os riscos do aquecimento com salamandras?

Por suporte 23/03/2017 0 Comentários

A falta de civismo na utilização de equipamentos, como as salamandras, pode ter consequências fatais...

Um artigo escrito por um leitor, divulgado no semanário regional O Mirante, chamou a atenção dos mais friorentos que, mesmo nas épocas em que se registam temperaturas mais baixas, querem sempre salvaguardar a sua segurança.

Com o título «O civismo e os incêndios em habitações», o texto da autoria de Joana Conceição Pernas centrou-se nessas tragédias que ocorrem tantas e tantas vezes no decorrer da estação do Inverno. salamandras

A leitora constatou que nos últimos tempos tem lido imensas notícias d´ O Mirante sobre incêndios em habitações, que acontecem devido à falta de cuidados dos moradores com os equipamentos de aquecimento.

Sendo assim, na opinião de Joana Conceição Pernas, são raros os friorentos que se importam com avarias, com deficiências e com situações de sobrecarga eléctrica, além de se arriscarem em colocar materiais inflamáveis junto de salamandras e de lareiras, por exemplo.

Esta «falta de civismo na utilização de equipamentos por vezes é fatal», tal como sublinhou a leitora atenta.

A verdade é que as consequências dos incêndios em habitações - ou simplesmente da inalação de monóxido de carbono - prolongam-se para além dos danos materiais.

Infelizmente, já existem muitas mortes a lamentar, causadas por estes descuidos. 

Por todos estes motivos, torna-se importante enumerar alguns comportamentos obrigatórios a adoptar para evitar os perigos resultantes dos aquecimentos com salamandras.

Vejamos o caso da intoxicação por monóxido de carbono.

Como salvar uma vítima de inalação de monóxido de carbono? 

Realmente, o monóxido de carbono é um «perigo silencioso» para os fãs de salamandras.

Afinal de contas, trata-se de um gás tóxico muito low profile, uma vez que nem tem cor, nem tem odor.

No entanto, os efeitos são bem evidentes: para além de provocar perda de sentidos, dores de cabeça, vómitos e perda de consciência, a inalação de monóxido de carbono até pode originar a morte, caso a vítima não seja socorrida a tempo e a horas.

Portanto, em caso de intoxicação por monóxido de carbono, o primeiro passo é arejar o local, abrindo quer as janelas, quer as portas.

De seguida, é obrigatório que se desligue todos os equipamentos, como as salamandras, que possam ter causado esse acidente.

Finalmente, deve-se retirar a vítima do local, transportando-a para um espaço um pouco mais arejado e até mesmo para a rua.

Porém, nunca se esqueça: um friorento prevenido vale mesmo por dois! Para evitar esta intoxicação, o melhor é realizar uma limpeza periódica de chaminés e de condutas de saída de fumos e efectuar uma manutenção e instalação de salamandras, obedecendo às instruções do fabricante e, no caso dos aparelhos a gás, de uma empresa devidamente certificada.

Proteja-se destes riscos quando adquirir uma salamandra, entre outros equipamentos, da empresa Pedra e Decoração